29/11/08

"Não há receitas milagrosas mesmo em Fátima"




Dois arquitectos, o professor Leonel Fadigas e Inês Marrazes analisaram o urbanismo vigente em Fátima e detectaram que os bons exemplos estão na zona que foi requalificada recentemente “Eu que não sou de Fátima consigo dizer que há mobilidade em todos os espaços à volta do Santuário”, afirmou Inês Marrazes na terceira edição das “Tertúlias no museu”.

Há sinalética, passadeiras rebaixadas, “estão lá cumpridas todas as normas de mobilidade”, acrescenta referindo-se às ruas João Paulo II e Cónego Manuel Formigão, alvo de uma intervenção de requalificação e abertas de novo à circulação em Maio de 2008.“O pior é se me afastar alguns metros”, refere ainda a arquitecta.

Também Leonel Fadigas exemplificou a dificuldade de se deslocar na cidade, apontando como exemplo uma visita recente que fez com o neto de cinco anos, à cidade mariana. Os passeios são estreitos, quando os há, e são muitas vezes invadidos pelo automóvel. A cidade não se encontra ainda acessível a todos, por exemplo, pessoas de cadeiras de rodas ou com mobilidade reduzida, como idosos.

Em Fátima é “urgente reconciliar a cidade e os seus espaços com as pessoas”, defende Inês Marrazes que isso não deve ser feito apenas a pensar nas pessoas que vêm cá, mas dos que vivem cá. “Não estamos na cidade. Estamos num aglomerado urbano de oito mil habitantes que recebe por ano cinco milhões”, salientou o professor de arquitectura da Universidade Técnica à centena de pessoas que participaram nesta tertúlia que decorreu ontem, 28 de Novembro, no Museu de Arte Sacra e Etnologia de Fátima.

É uma cidade “onde se chega de carro e se anda a pé. E onde chegam muitos milhões para andar a pé”, afirmou o arquitecto. Leonel Fadigas preferiu não comentar o Plano de pormenor para a zona envolvente ao Santuário de Fátima e que inclui o rebaixamento da avenida D. José Alves Correia da Silva, mas adianta que “não” foi feito um estudo de tráfego a pensar nas acessibilidades e mobilidade de pessoas e automóveis na cidade.
Lucília Oliveira

07/11/08

Museu de Arte Sacra e Etnologia recebe alunos do CEF




Durante a semana de 3 a 7 de Novembro todas as turmas do 8.º ano da disciplina de História do Centro de Estudos de Fátima (CEF) visitaram o Museu de Arte Sacra e Etnologia .

As professoras Teresa Reis e Carla Albernaz, docentes que há mais de uma década organizam a visita a este espaço museológico, consideram-no importante para a transmissão de conhecimentos e de valores, «-os alunos têm a possibilidade de conhecer outras culturas e religiões, aprendendo a respeitar a diferença. O Museu tem uma temática que se enquadra perfeitamente num dos pontos do programa da disciplina de História do 8.º ano, Os Descobrimentos portugueses e o encontro de culturas - refere Teresa Reis.» Acrescenta ainda que: «- Com os materiais pedagógicos que o museu oferece, a visita torna-se mais agradável aos alunos, permitindo a sua concentração e interesse. Há que tirar partido daquilo que está perto da escola com qualidade!».

Através do contacto directo entre os docentes e o Serviço Educativo do Museu, são preparados vários recursos pedagógicos de acordo com os objectivos que se pretendem ser atingidos pelos alunos. Assim, os alunos visualizam um breve documentário sobre os Índios Yanomami do Brasil que retrata o seu quotidiano, a sua cultura e a actividade dos Missionários da Consolata junto deste povo da floresta.

Segue-se depois a resolução das questões de um guião de visita entregue a cada aluno e um pequeno debate sobre o tema apresentado. Após este momento os alunos visitam as várias salas da exposição permanente através de vários exercícios de memória visual, sendo dado maior ênfase às temáticas dos Descobrimentos portugueses e à etnologia, matéria que estão a estudar.

Um exemplo feliz de interligação escola e museu que começa a ser comum, recebendo o Museu de Arte Sacra e Etnologia cada vez mais contactos para este tipo de parcerias.

26/10/08

TERTÚLIAS NO MUSEU - Sala cheia para ouvir Professor Doutor José António Falcão





No passado dia 31 de Outubro teve lugar no Museu de Arte Sacra e Etnologia a segunda edição de “Tertúlias no Museu”. O Professor Doutor José António Falcão foi o convidado especial para conversar sobre os bens patrimoniais da Igreja e especialmente do Departamento Histórico e Artístico da Diocese de Beja (DHADB) de que é director e que se encontra a celebrar os seus 25 anos de existência.

Perante uma plateia atenta, foram abordados diversos assuntos sobre o património do Baixo Alentejo, os primeiros trabalhos do DHADB, os problemas dos furtos nas igrejas, o inventário e a criação de uma rede de Museus.
Foram também tratadas as exposições temporárias como um importante meio de divulgação da arte sacra e com grande sucesso quer em Portugal como no estrangeiro.
José António Falcão apontou como caminhos a seguir nos próximos anos a aposta na internacionalização das exposições temporárias.
Os furtos e as cada vez mais hábeis formas de roubo, preocupam o director deste departamento.
"Tertúlias no Museu" é uma organização conjunta do Museu dos Missionários da Consolata e da Junta de Freguesia de Fátima visando desenvolver mecanismos culturais para a comunidade local.

Nas últimas sextas-feiras de cada mês serão entrevistadas personalidades locais, regionais ou nacionais, que se têm destacado em várias áreas do saber, sendo debatidos temas relacionados com Fátima e também com aspectos culturais e patrimoniais.

08/09/08

"TERTÚLIAS NO MUSEU"



Foto de Ana Paula

Na passada sexta-feira, dia 26 de Setembro, decorreu no Museu de Arte Sacra e Etnologia a primeira Tertúlia subordinada ao tema “O Santuário de Fátima – Passado, Presente e Futuro”. Monsenhor Luciano Guerra foi o convidado especial deliciando a mais de uma centena de pessoas que quiseram ouvir as suas experiências à frente do Santuário Mariano ao longo de 35 anos.

Vários assuntos foram abordados, desde os seus primeiros tempos após a tomada de posse, dificuldades, compra de terrenos, a preservação dos Valinhos, as relações com as autoridades civis, o período pós Revolução 25 de Abril, e aquilo que deseja que Fátima venha a ser no futuro.

Esta iniciativa é uma organização conjunta do Museu de Arte Sacra e Etnologia e da Junta de Freguesia de Fátima visando desenvolver mecanismos culturais para a comunidade local.

Nas últimas sextas-feiras de cada mês serão entrevistadas personalidades locais, regionais ou nacionais, que se têm destacado em várias áreas do saber, sendo debatidos temas relacionados com Fátima e também com aspectos culturais e patrimoniais.

A próxima “Tertúlia do Museu” realizar-se-á no dia 31 de Outubro pelas 21h00, cuja temática versará sobre os bens patrimoniais da Igreja e conta com a presença do arquitecto José António Falcão, Coordenador do Departamento Histórico e Artístico da Diocese de Beja que comemora 25 anos de existência.

Foto de Lucília Oliveira

06/09/08

Como chegar ao MASE?



Ver mapa maior

Assim chegará mais facilmente ao n.º 52 da Rua Francisco Marto, em Fátima! Boa viagem!

19/05/08

Oito centenas de pessoas participaram nas actividades da Noite e Dia dos Museus




O Museu de Arte Sacra e Etnologia às iniciativas internacionais “Noite dos Museus” (17 de Maio - 3.ª Edição Europeia) e Dia Internacional dos Museus (18 de Maio).

Na Noite dos Museus, foram muitos aqueles que visitaram o museu a partir das 19h00, assistindo, mais tarde, ao notável concerto do Coro Ninfas do Lis, de Leiria, que brindou os presentes com temas musicais alusivos às várias sonoridades do mundo, assinalando o Ano Europeu do Diálogo Intercultural.

Seguiram-se depois várias visitas guiadas à exposição temporária «A Paixão do Menino Jesus» e à “Oficina de Restauro” onde o público pôde assistir a trabalhos de intervenção em peças e conversar sobre esta importante tarefa museológica com as técnicas do Departamento de Conservação e Restauro do Museu.

No domingo, 18 de Maio, o Dia Internacional dos Museus foi assinalado com a iniciativa “Hora à Hora” que consistiu numa autêntica maratona de visitas guiadas às exposições permanentes e temporárias do museu desde as 10h00 até às 18h00.

À tarde, devido ao mau tempo, os momentos musicais não puderam ser realizados no “Pátio da Música” conforme o previsto, realizando-se no Auditório e na Sala de Projecções. O Coro Juvenil de Fátima e Orquestra de Cordas de Fátima do Conservatório de Música de Ourém e Fátima apresentaram alguns temas do seu reportório e Vando Valente, do mesmo conservatório, executou depois a solo um concerto de Guitarra.

Oito centenas de pessoas participaram nestas actividades, sendo sempre sensibilizadas para a importância dos Museus como agentes de mudança social e de desenvolvimento, conforme o tema proposto pelo ICOM (Conselho Internacional dos Museus). Foi um número que aumentou em 50% em relação às mesmas actividades realizadas no passado ano por este museu credenciado pela Rede Portuguesa de Museus.

13/05/08

03/05/08

Beato Francisco Marto - Centenário do seu nascimento 11 de Junho de 1908




O Santuário de Fátima irá iniciar as comemorações do centenário do nascimento do Beato Francisco Marto a partir do dia 10 de Junho de 2008, por ocasião da Peregrinação das Crianças a Fátima (que decorre sempre a 9 e 10 de Junho).

O Museu de Arte Sacra e Etnologia, dos Missionários da Consolata em Fátima, apresenta na sua exposição permanente “A Sala dos Pastorinhos” que conserva autênticas relíquias dos videntes, entre elas o barrete do Beato Francisco Marto. Este e outros objectos foram oferecidos aos Missionários da Consolata em 1956 pelo pai dos videntes, Manuel Pedro Marto (1873-1957), grande amigo de João De Marchi, padre missionário da Consolata que abriu o Instituto Missionário da Consolata em Portugal e autor de vários best-sellers sobre as Aparições.

O barrete do Beato Francisco Marto é, sem dúvida, o mais admirado. Ocupando o centro da sala, num ambiente escurecido, apela à meditação que tanto este pastorinho de Fátima apreciava, "rezar ao Jesus escondido".

Para além destes objectos, encontram-se alguns terços, trajes do doador e uma pedra do túmulo da Jacinta e Francisco que seu pai guardou religiosamente após a trasladação dos irmãos do cemitério paroquial de Fátima para a Basílica.

O Padre Luis Kondor, o postulador das causas de beatificação de Jacinta e Francisco, ofereceu também um pequeno relicário com partículas dos ramos da azinheira e dos caixões dos beatos.

10/04/08

Visitas orientadas - Outros


Visitas orientadas para grupos paroquiais, catequese, lares, empresas e outras instituições. (Duração: 1h30)*
Com visualização de documentário «Fátima – Experiência de Fé» mais 45 minutos.

*Flexível de acordo com a disponibilidade do grupo

Visitas orientadas - Secundário



No âmbito das disciplinas de História, História da Arte ou de Educação Moral e Religiosa Católica, poderão ser apresentados documentários sobre a actividade dos Missionários, grupos étnicos ou sobre movimentos e estilos artísticos. Ambos poderão ser seguidos de debates, mesas redondas, etc.

Visitas orientadas - 3º Ciclo


Disciplinas de Educação Moral e Religiosa Católica e História

Opção A: Visualização do filme animado «O dia em que o sol bailou» que nos relata a história das Aparições de Fátima. A exploração das salas far-se-á através de guiões de visita. (Duração: 1h45)*

Opção B: Visualização do documentário «Yanomami – O povo da floresta» que para além de mostrar a actividade dos Missionários junto de um povo Índio do Brasil, poderá ser explorado o tema do desrespeito pelos Direitos do Homem sobre um povo índio brasileiro.
Visita das salas através de guiões com questões dos índios Tomiko e Hosa. (Duração: 1h15)*


Poderão ser apresentados outros filmes consoante os objectivos da visita.

Sessões de esclarecimento e debates com testemunhos dos próprios missionários são outras estratégias existentes.

(*) Flexível de acordo com a disponibilidade do grupo

Visitas orientadas - 2º Ciclo


Disciplinas de Educação Moral e Religiosa Católica e História

Opção A: Visualização do filme animado «O dia em que o sol bailou» que nos relata a história das Aparições de Fátima. A exploração das salas far-se-á através de guiões de visita. (Duração: 1h30)*

Opção B: Visualização do documentário «Yanomami – O povo da floresta» que nos remete para a actividade dos Missionários da Consolata junto do fantástico povo índio da Amazónia brasileira. Visita das salas através de guiões com questões da simpática personagem Formiga Migas, a formiga Missionária. (Duração: 1h30)*


Poderão ser apresentados outros filmes consoante os objectivos da visita.

Sessões de esclarecimento e debates com testemunhos dos próprios missionários são outras estratégias existentes.

(*) Flexível de acordo com a disponibilidade do grupo

Visitas orientadas - 1º Ciclo


Com o objectivo de criar hábitos de visita a museus, para as crianças mais novas, o Museu apresenta um “Teatro de Fantoches” cujas personagens, o Tó Zé e a Inês, explicam de forma divertida e motivadora as funções de um Museu e os cuidados a ter no percurso da visita.

A cada criança é entregue um guião de visita para explorarem as diversas salas. Após a visita, dirigir-se-ão para uma “Oficina de Pintura” onde poderão pintar aquilo que mais tenham gostado de ver no Museu.
Caso o docente pretenda, poder-se-ão desenvolver diversas actividades de expressão musical e físico-motora.

Tutela



Instituto Missionário da Consolata
Fundado em Turim, Itália, em 1901 pelo Beato José Allamano, tem como objectivo a formação de missionários e a animação missionária da Igreja. Vindos para Portugal em 1943, abriram em Fátima o seu primeiro seminário. Actualmente estão presentes em 24 países

O MASE



O Museu de Arte Sacra e Etnologia reúne uma vasta colecção de arte sacra portuguesa e de etnografia de vários países do mundo, com elevado interesse artístico e cultural.
Relata, no seu percurso, a história de Cristo e das Missões, levando o visitante a encontrar-se com os mistérios da fé cristã e o caminho do Evangelho através dos 5 continentes.

Sala da Natividade



Apresenta uma vasta colecção de presépios e imagens da infância de Jesus, de madeira, terracota, marfim e estanho. As mais antigas datam do século XVI e são, na sua maioria, portuguesas e indo-portuguesas. Destaca-se ainda um conjunto de Meninos Jesus de Malines.

Sala da Paixão




Reúne uma colecção de figuras relativas à paixão e morte de Cristo e crucifixos dos séculos XIV ao XX. São de origem portuguesa, indo e sino portuguesas. Encontram-se igualmente expostos paramentos, alfaias litúrgicas e oratórios que demonstram a piedade familiar portuguesa.

Sala da Ressurreição e da Missão



Através de várias peças de arte, textos, mapas e reproduções fotográficas dos diversos continentes, descreve-se o caminho percorrido pelo Evangelho desde o acontecimento de Pentecostes em Jerusalém depois da ressurreição de Jesus até aos nossos dias. Coloca-se em evidência, na história, a participação portuguesa na época dos descobrimentos e, na actualidade, a missão diante das culturas e das religiões.

Sala de Etnologia



Expõe uma rara colecção de objectos etnográficos de uso quotidiano dos povos com quem os missionários têm contacto. Os mais significativos provêm da Amazónia, Quénia, Zaire, Angola, Guiné, Moçambique e Extremo Oriente. Parte da colecção foi cedida pelos Missionários da Boa Nova.

Sala dos Pastorinhos



Esta sala, inaugurada em 2000, expõe a relíquia do Beato Francisco Marto (o carapuço) oferecido aos Missionários da Consolata pelo seu pai em 1956. Para além de outros objectos pessoais do doador, a sala guarda também a pedra do túmulo de Francisco e Jacinta Marto, recolhida pelo Sr. Marto aquando da transladação dos dois irmãos do cemitério de Fátima para a Basílica.

Serviço Educativo



A função educativa é uma das principais missões de um museu. Neste sentido, o MASE pretende ir ao encontro dos objectivos dos vários estabelecimentos de ensino.

Através do seu Serviço Educativo, este museu tem vindo a trabalhar em parceria com escolas de diferentes pontos do país, principalmente com os docentes das disciplinas de História, História da Arte e de Educação Moral e Religiosa Católica. Estes, têm considerado a visita ao Museu de Arte Sacra e Etnologia como uma importante estratégia para os seus alunos alcançarem determinados objectivos programáticos, bem como sensibilizá-los para a necessidade de respeito para com as diferentes culturas do mundo.

Destas parcerias resultaram vários recursos para as visitas de grupos escolares, tais como guiões de visita, diaporamas multimédia, videogramas, debates, etc.