28/02/13

QUEM NOS QUER ADOTAR?


O concurso escolar «A minha escola adota um museu, um palácio, um monumento...» é uma iniciativa dirigida a alunos dos ensinos básico e secundário, promovida conjuntamente pela Direção-Geral da Educação (DGE), no âmbito do Programa de Educação Estética e Artística, e pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC).

O objectivo desta iniciativa é estimular o conhecimento da realidade museológica e patrimonial nacional, através do contacto das escolas com os museus e consequente sensibilização para a conservação, proteção e valorização do património cultural.

Considerando que o conhecimento do património cultural constitui uma importante experiência educativa, facilitadora da integração das crianças e dos jovens na comunidade, torna-se pertinente proporcionar às escolas e aos museus uma oportunidade de desenvolverem ou de reforçarem a cooperação neste domínio.

O concurso escolar “A minha escola adota um museu, um palácio, um monumento...” consiste na elaboração de trabalhos criativos a partir de testemunhos dos Museus e Palácios que integram a Rede Portuguesa de Museus ou dos Monumentos tutelados pela DGPC.

Os trabalhos premiados apresentados a concurso serão objeto de avaliação por um júri e de apresentação final em exposição num museu ou palácio que integre a Rede Portuguesa de Museus ou num monumento tutelado pela DGPC.

A Entrega dos trabalhos (portefólios contendo os trabalhos para apreciação) deverão ocorrer nos museus, palácios ou monumentos com os quais se colaborou até ao dia 17 de maio de 2013.

Primeira fase de avaliação dos trabalhos será efetuada pelos serviços educativos dos museus, palácios ou monumentos e decorrerá entre os dias 20 de maio a 23 de maio.

A avaliação dos trabalhos pelo Júri Nacional decorrerá entre os dias 27 e 31 de maio de 2013 sendo que a divulgação dos resultados decorrerá entre os dias 31 de maio e 3 de junho de 2013 nos sítios da internet da DGE e da DGPC.

A Entrega de Prémios e Exposição dos Trabalhos Premiados decorrerá num museu ou palácio que integre a Rede Portuguesa de Museus ou num monumento tutelado pela DGPC, a indicar, no dia 6 de junho de 2013.

INFORMAÇÕES: Graça Mendes Pinto (gmendespinto@dgpc.pt) telf. 213 650 858)

25/02/13

O desafio do outro: diálogos pós-coloniais - Curso – Livre


Decorrerá no MASE, no dia 6 de abril, sábado, o curso Livre “O desafio do outro: diálogos pós-coloniais”. Esta iniciativa resulta de uma parceria entre o MASE, o Centro de Património da Estremadura e o Museu Municipal de Ourém.

O pós-colonialismo surge como um meio de refletir e desconstruir os efeitos da colonização e as novas formas de dominação. Mas como se combatem todas estas formas de opressão? Através da educação, da arte e das práticas de cidadania, da reflexão crítica sobre as ideias da opressão e do autoritarismo colonial. Cada educador precisa de estar consciente do contexto político em que está inserido de modo a poder fazer a clara definição de seu papel.

Partindo do espaço museológico onde a formação decorre e das coleções etnográficas africana, asiática e da américa do sul, realizar-se-á uma análise crítica sobre as diferentes práticas dos serviços educativos, como se pode trabalhar com diferentes públicos numa análise de desconstrução pós-colonial.

Tendo como público-alvo técnicos de museus e de instituições culturais, curadores, docentes, artistas e estudantes universitários, serão debatidos temas que vão desde a reflexão sobre o Pós- colonialismo: literatura e arte contemporânea, até à coleção etnográfica de África, América do Sul e Ásia do MASE e o museu como uma ferramenta de prática e mediação social.

O curso decorrerá das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 17h00, terá como formadora Genoveva Oliveira, licenciada em História e Ciências Sociais, Mestre em História Regional e Local (Vertente de História de Arte/Museologia) e com Doutoramento em Historia de Arte/Museologia. Defende os princípios da curadoria de ação e práticas curatoriais feministas. Desenvolve neste momento um projeto de investigação sobre questões de género a partir da obra de Judy Chicago e Paula Rego, envolvendo o Museu Casa das Historias e a Universidade da Penn State. Criou o projeto “No Silence: práticas curatoriais feministas” que tem vindo a desenvolver palestras, exposições de arte contemporânea e workshops no país, refletindo sobre as questões de género, a presença da mulher na arte, os conceitos de equilíbrio/igualdade na sociedade e o sexismo na sociedade contemporânea. Tem experiência em organização de eventos, exposições, congressos, cursos de arte, desde os anos 90. Tem experiência em ensino secundário e superior, em instituições portuguesas e estrangeiras e o seu trabalho já foi desenvolvido em diversos países: E.U.A., Espanha, Austrália, Tailândia, Rússia, Finlândia, Hungria, Suécia.

A data limite de inscrição é 28 de março, estando limitado a 30 vagas.

INSCRIÇÕES ONLINE CLIQUE AQUI

DESCARREGUE O DESDOBRÁVEL AQUI

22/02/13

DAMAS DE CARVÃO - Exposição de fotografia


Abriu ao público no MASE a exposição temporária de fotografia «Damas de Carvão».

A exposição está inserida no projeto anual para a Costa do Marfim que a Consolata apadrinhou e propõe aos seus amigos e benfeitores para 2013. É composta por 23 trabalhos da fotojornalista Ana Paula Ribeiro, da revista Fátima Missionária, aquando a sua deslocação à Costa do Marfim.

Além de Ana Paula, também o padre missionário da Consolata, Luís Maurício Guevara, e Daniel Ferreira, designer gráfico, estiveram 15 dias na Costa do Marfim, onde percorreram dois mil quilómetros, guiados por Pietro Villa, sacerdote missionário da Consolata italiano.

Visitaram as carvoarias de San Pedro onde dezenas de mulheres trabalham, todos os dias, na produção de carvão vegetal. Com os desperdícios de uma serração, fazem montes de pedaços de madeira e serradura, calcam com as mãos e deixam arder durante uma semana. Separam depois o carvão da cinza, que embalam em sacos de plástico para vender. 

A cidade de San Pedro fica no sul da Costa do Marfim, onde desembarcou, na última metade do século XV, o explorador português Soeiro da Costa. À diocese de San Pedro chegaram, em 1996, os primeiros missionários da Consolata. 

Com uma área de 322.463 quilómetros quadrados, a Costa do Marfim, ex-colónia francesa, tem mais de 20 milhões de habitantes. Cerca de 40 por cento são estrangeiros, oriundos dos países vizinhos, a maioria do Burkina Faso e do Mali. 

Os Missionários da Consolata, presentes em 24 países de quatro continentes, prestam com esta exposição uma homenagem a todos os homens e mulheres que, no seu dia-a-dia e em situações limite, não deixam de colorir a vida com um sorriso de esperança.  

Pode ser visitada diariamente, das 10h00 às 17h00, exceto à segunda-feira, até 31 de março.